sábado, 28 de maio de 2011

Ninguém!


Tem horas em que parece melhor viver como esse ninguém que tanto dedico meus sentimentos também não existisse. Sua incapacidade de existir me irrita e desilude. É inexistência demais para a minha existência suportar. Esse vazio não preenche nada. O vácuo não devia abrigar tudo isso. Falta coragem de continuar uma conversa com quem nunca começou um diálogo comigo. Monólogos são até fundamentais para minha existência. Mas não deviam resumir ela desse modo. É como se eu tivesse que deixar de existir para poder me tornar interessante, sumir para poder ser vista, correr para poder ser alcançada, esquecer para ser lembrada e parar de escrever para ser lida.

Ninguém é estranho demais. É como se esses olhos que nunca me olharam estivessem vendados, esses ouvidos que nunca me escutaram estivessem tampados, essa pele que nunca me tocou estivesse me repulsando, esse nariz que nunca cheirou mentira não acreditasse em minhas verdades, essa língua que nunca criou palavras estivesse se engasgando propositalmente, esse coração que nunca me amou estivesse me desprezando e essa mente que nunca me conheceu tivesse me esquecido.

Nenhum comentário:

Postar um comentário